A rede social das coisas.

A campainha tocou e sem eu abrir a porta ele entrou. A campainha foi apenas um aviso. Um sinal que mais alguém se juntou a mim naquela tarde de verão. O acesso foi permitido um dia antes. Acesso restrito à minha sala de estar.

Meu amigo estava vestido com uma roupa meio maluca, meio David Bowie. Reconheci o Michel por causa de seu ID.

Essa é a parte mais divertida. Pessoas podem ser o que quiserem no meu espaço de realidade aumentada. É quase como um encontro real, com direito a doses de ficção.

A sala é para todos.

A cozinha é para quem curte comida, obviamente.

O quarto é para acessos mais íntimos.

Na lavanderia não acontece nada. Acho que ninguém se diverte lavando roupa, né?

Pessoas entram e saem da casa.

Deixam mensagens num livro em branco.

Ouvem minhas músicas.

Veem meus seriados favoritos comigo em tempo real.

Compartilham trechos de livros.

Batem papo.

Deixam estímulos na minha rede neural.

Fazem parte da minha ficção particular.

A TV foi comprada por U$ 0,99 e a assinatura dos canais custa algo como U$ 2 mês. O sofá é italiano e baixei com um código promocional. O design da minha casa é lindo e tem a minha cara. O quadro da entrada fui eu que pintei. A casa é imensa e construí com recursos que antigamente se assemelhavam ao MineCraft. É aqui que recebo amigos, conhecidos e estranhos. É aqui que todos podem manter contato e acompanhar minha vida.

Na “rede social das coisas”, podemos viver em um pequeno apartamento e estar numa mansão ao mesmo tempo. A construção é nossa.

Antes de sair, meu amigo registrou uma reação, algo próximo a um like lembrando o jurássico Facebook. Meu amigo é vintage. É alguém que viveu nos tempos em que as pessoas ficavam olhando para uma tela a fim de acompanhar o que os outros estavam pensando, falando, comentando.

Foi embora sem dizer tchau. Fechou a porta e cinco minutos depois mandou chocolates de presente para mim.

Pena que a tecnologia é tão atrasada e não consigo sentir o gosto desse 85% feito no Havaí.

Melhor tirar meus óculos e voltar ao mundo real porque ainda existem razões para isso.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s